POR QUE NÃO SABEMOS MAIS TRANSFORMAR MENINOS EM HOMENS?

0
447

Meninos são programados nos seus genes para serem meninos. Nem todos optarão por ser masculinos e viris, e não vou perder tempo aqui debatendo sobre identificação de gênero. Este não é o foco do que temos para discutir.

É uma regra quase universal da civilização que, enquanto as meninas se tornam mulheres simplesmente por meio da maturidade física, os meninos devem passar por um “teste”.

Para que um menino se torne um Homem aceito na tribo, ele deve demonstrar coragem, vigor físico ou dominar um certo conjunto de habilidades essenciais. O objetivo do rito de passagem é comprovar a competência do jovem como protetor de mulheres e crianças – pois este é o papel social primário do sexo masculino.

Entretanto, desde o Século XX, as mulheres ganharam terreno na economia e no meio acadêmico – o que foi excelente! -, e pais e maridos provedores se tornaram itens opcionais. As mulheres merecem o sucesso que estão alcançando, foram oprimidas por tempo demais. São mais ambiciosas, disciplinadas e motivadas que a maioria dos homens e eu torço para que a sociedade continue permitindo-as ganhar o nível de igualdade que merecem. Mas isso não resolve o problema da marginalização da Masculinidade e as consequências de sua extinção.

Com o avanço social feminino, muitas das qualidades que os homens deveriam possuir para desempenhar seu papel de Homem – força, estoicismo, coragem, fidelidade – tornaram-se obsoletas ou até mesmo embaraçosas. Filmes, novelas, séries de TV e até mesmo comerciais têm retratado a figura masculina repetidamente como incompetente, imatura ou egocêntrica. Esta mensagem subliminar vem cada vez mais afetando e modificando o inconsciente coletivo – com repercussões devastadoras.

Estamos deletando – e permitindo que seja deletada – a planta com as especificações para construir a Masculinidade. ESTA é a importância de resgatar a virilidade que possuímos – antes que ela vire um interesse arqueológico de algo brilhante que existiu um dia, e foi perdido.

Deixe uma resposta