SUCESSO, MISÉRIA E CAPITALISMO

0
195

A Liberdade Econômica está realmente associada à melhor qualidade de vida e mais dinheiro no bolso dos cidadãos? Ou o discurso da Esquerda está certo e tudo que o capitalismo faz é oprimir os pobres e aumentar a miséria?

O sucesso no capitalismo não reflete exatamente a inteligência e o trabalho duro per se, mas a presença de qualidades valorizadas pelo mercado. Por isso, dentro do capitalismo, o sucesso não depende tanto de sua posição atual na hierarquia social ou de ser possuidor dos meios de produção, mas de possuir capacidades inatas e competências adquiridas com foco em sua utilidade e não no hedonismo.

Quando contemplam a estrutura pragmática do Capitalismo, os entusiastas do marxismo rapidamente rotulam o livre mercado de injusto e opressor, e saem pregando aos quatro ventos que tal sistema condena a maioria das pessoas à pobreza e à miséria.

Para tristeza destes entusiastas, sua metanarrativa vitimista não é corroborada pelos fatos:

Compilando-se dados da Heritage Foundation, do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, observamos que o conjunto dos 20 Países com melhor classificação no índice de Liberdade Econômica (Hong Kong, Singapura, Nova Zelândia, Suíça, Austrália, Irlanda, Estônia, Reino Unido, Canadá, Emirados Árabes Unidos, Islândia, Dinamarca, Taiwan, Luxemburgo, Suécia, Geórgia, Países Baixos, Estados Unidos, Lituânia e Chile) apresenta um PIB em Paridade de Poder de Compra (PIB-PPC) de US$ 48.722 per capta e vivem em um IDH médio de 0,905.

Em contrapartida, o conjunto dos 20 Países com os piores indicadores de Liberdade Econômica (Sudão, Chade, República Centro-Africana, Angola, Equador, Suriname, Timor-Leste, Togo, Turcomenistão, Moçambique, Djibouti, Argélia, Bolívia, Zimbábue, Guiné Equatorial, Eritreia, República Democrática do Congo, Cuba, Venezuela e Coreia do Norte) apresenta um PIB-PPC de US$ 8.139 per capta e vivem em um IDH médio de 0,589.

Se o capitalismo condena as pessoas à pobreza e à miséria, como pode a adesão à Liberdade Econômica (essencial ao capitalismo) resultar em um poder de compra quase seis vezes maior e uma qualidade geral de vida 53% melhor? Sim, algo errado não está certo na narrativa dos coletivistas, socialistas, marxistas e comunistas…

Na verdade, a narrativa da esquerda nunca passou de construções ideológicas fantasiosas elaboradas com o intuito de distorcer a realidade dos fatos em uma miragem que permitisse a perpetuação de seu plano de poder. Nunca se tratou de combater a pobreza, a miséria ou a ignorância do povo. Era tudo pelo poder e apenas em nome do poder.

 

Deixe uma resposta